Najila afirmou em depoimento na sexta-feira (7) que o vídeo de sete minutos sobre o encontro com Neymar em Paris estava num tablet roubado de seu apartamento

O advogado de Najila Trindade Mendes de Souza, que acusa Neymar de agressão e estupro, disse neste sábado (8) por telefone que pode deixar o caso se ela não apresentar as provas que diz ter contra o jogador. Danilo Garcia de Andrade citou o restante de um vídeo que Najila diz ter gravado.

Na sexta-feira (7), Najila afirmou em depoimento à polícia que o vídeo de sete minutos que ela gravou no hotel, no segundo encontro com Neymar, estava em um tablet que foi furtado em seu apartamento, em São Paulo.

Policiais especializados analisaram as marcas na porta do apartamento de Najila e só encontraram impressões digitais dela e da empregada.

A modelo disse que não registrou a invasão do apartamento porque não sabe ao certo o que foi levado. Só deu falta do tablet, de um relógio e de uma quantia em dinheiro que estava em uma bolsa.

Até agora, só foi divulgado um minuto do vídeo. Neste trecho, Najila bate em Neymar. Nos outros seis minutos, segundo ela, haveria elementos que comprovariam que o jogador a agrediu no dia anterior.

O advogado Danilo Garcia de Andrade disse também que Najila relatou a ele que tem provas guardadas num cofre, mas que ele ainda não teve acesso ao material.

No depoimento de sexta à Polícia Civil de São Paulo, a modelo deu duas versões diferentes sobre o segundo encontro que teve com o jogador em Paris.

Na primeira, disse que gravou todo o encontro. Em seguida, mudou a versão e disse ter desligado o celular porque teve medo de que Neymar percebesse.

Após o depoimento de seis horas, Najila passou mal e deixou a delegacia carregada pelo advogado. A defesa de Neymar disse que o jogador deve depor na próxima semana.

O advogado Danilo Garcia de Andrade carrega Najila Trindade após o depoimento da modelo em SP — Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Conteúdo do depoimento

A TV Globo teve acesso ao conteúdo do depoimento. Najila contou à polícia que seguia Neymar em uma rede social e que, em fevereiro, fizeram contato e trocaram telefones. Em maio, combinaram a viagem dela a Paris — as passagens aéreas e o hotel foram pagos pelo jogador.

A modelo reiterou que Neymar foi ao hotel lhe encontrar e que os dois se beijaram. Em um momento, segundo ela, o jogador começou a dar tapas. Ela disse que não falou nada, mas que, minutos depois, percebeu que ele estava mais agressivo e reclamou.

Segundo Najila, neste momento ela perguntou se ele tinha camisinha. Neymar respondeu que não e ela disse que achava melhor eles ficarem “só na pegação”.

Najila contou que o jogador a segurou com força pelo quadril e fez sexo com ela sem o seu consentimento.

Crise de choro

O depoimento foi interrompido algumas vezes. Najila chorou e estava muito nervosa. Ela teve uma crise de choro quando relatava o sexo não consensual e, neste momento, a delegada responsável pelo caso parou de fazer perguntas.

Rosângela, amiga de Najila que a acompanhou no momento em que a modelo registrou o boletim de ocorrência do caso, também prestou depoimento e saiu sem falar com os jornalistas.

Neymar

A advogada de Neymar, Maíra Fernandes, esteve na delegacia que investiga o caso para ter acesso ao depoimento de Najila. Ela disse que o jogador prestará depoimento em São Paulo no início da próxima semana.

“Ele tem todo interesse em prestar depoimento, esclarecer tudo o que for necessário”, afirmou. “Eu posso dizer que a defesa do Neymar acredita plenamente na defesa dele e vai provar.”

O juiz Paulo Roberto Sampaio Jangutta, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, negou um pedido para paralisar o inquérito instaurado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática. O pedido foi feito por advogados alheios ao processo.

Nesse inquérito a polícia apura quem é o responsável pelo vazamento de imagens íntimas de Najila. O jogador Neymar disse à polícia que foram assessores os responsáveis pela publicação, em uma rede social, do vídeo com as fotos da modelo.

Do G1