Advogado é preso após agredir criança autista de 5 anos dentro de shopping; ““F***** que ele é autista”

Read Time3 Minutes, 1 Second

Arlinda Edleuza Oliveira da Mata, de 28 anos, e o filho, de 5, estavam na Lojas Americanas do Pátio Savassi, na Região Centro-Sul

O advogado Eduardo Nogueira Reis, de 60 anos, foi preso por suspeita de agredir um garoto autista, de 5, na tarde de sábado (30), dentro da Lojas Americanas do Pátio Savassi, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), o suspeito permanecia preso no Centro de Remanejamento Prisional (Ceresp) Gameleira, na Região Oeste de BH, no fim da manhã desta terça-feira (2).

A estudante de direito Arlinda Edleuza Oliveira da Mata, de 28 anos, contou nesta terça que passeava com o filho no shopping e, como de costume, foi até a loja comprar balas. O garoto escolheu os doces e ambos foram para a fila pagar.

“Como a Americanas estava vazia, eu nem fui ao caixa preferencial. Fui ao normal mesmo”, disse Arlinda, que tem o direito de ir ao caixa diferenciado porque o garoto tem autismo.

Ela disse ainda que entrou na fila para pagar as balas e que o filho esbarrou em um objeto no chão e, logo na sequência, em um homem que também esperava ter o atendimento no caixa.

“Na mesma hora eu pedi desculpas, mas ele não disse nada. Quando foi chamado para ir ao caixa, ele se abaixou e deu um tapa na cabeça do meu filho”, relembrou Arlinda.

Assustada, ela afirmou que foi defender o garoto. “Moço, o senhor não pode fazer isso. Ele é autista.”

Ele respondeu: “F***** que ele é autista. Não deixe esse menino me encostar. Sua p***, vagabunda, preta, obesa mórbida”.

Ela contou que no momento da agressão, o filho não esboçou nenhuma reação, não chorou e permaneceu quieto.

Arlinda com o filho de 5 anos e o marido, Ryner Felipe Lacerda — Foto: Arlinda Edleuza Oliveira da Mata/Arquivo Pessoal

Clientes seguraram o advogado

Com medo de outras agressões físicas, uma mulher que também estava na fila interveio. “Moça, ele vai te bater. Não fala nada, não”. Nesse momento, Arlinda começou a chorar.

O gerente da Americanas retirou mãe e filho da loja, enquanto três ou quatro mulheres seguraram o suspeito, que queria fugir. A Polícia Militar (PM) foi chamada.

O suspeito, o advogado Eduardo Nogueira Reis, foi encaminhado ao Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) do shopping enquanto a PM chegava. No local, de acordo com Arlinda, o homem dizia que estava acima da lei porque é rico. Ele não negou as agressões à polícia.

Arlinda se queixou que o shopping teria apoiado somente Reis e que um funcionário teria dito que era para ela “deixar para lá” porque o homem frequenta o local todos os dias e que tem problemas mentais.

Comportamento alterado

Ela contou que no domingo (31) precisou levar a criança até um hospital psiquiátrico porque ele estava muito agitado e com o comportamento alterado. “A médica aumentou a dose do remédio dele”.

De acordo com a Polícia Civil, Eduardo Reis foi preso em flagrante por injúria racial contra a mãe e a criança.

Em nota, a Americanas informou que “repudia qualquer forma de preconceito, discriminação e agressão. No momento em que ocorreu o episódio, o gerente da loja intercedeu, chamou a polícia e posteriormente foi à delegacia para colocar-se à disposição da cliente. Estamos também à disposição das autoridades competentes para a elucidação dos fatos”.

A notícia é do G1/MG

0 0
0 %
Happy
0 %
Sad
0 %
Excited
0 %
Angry
0 %
Surprise
Close