Ator português luta pela vida após injeções de testosterona por motivos estéticos; saiba os riscos

Read Time4 Minutes, 41 Seconds

O drama do ator português Ângelo Rodrigues, que já fez participações na TV brasileira, voltou a acender o alerta para os perigos de um procedimento estético realizado sem supervisão médica por homens e mulheres que buscam o “corpo perfeito”: as injeções de testosterona

Galã na TV portuguesa e tendo atuado nas séries brasileiras As Canalhas (2015), do GNT, e Desencontros (2018), do Sony, Rodrigues, de 31 anos, está internado desde o dia 26 de agosto e ainda pode ter a perna amputada.

Após o procedimento, supostamente feito nas nádegas, ele passou mal e deu entrada no hospital com febre e vômitos.

Rodrigues sofreu uma infecção grave, que resultou em uma parada cardíaca e uma necrose dos tecidos na área onde o hormônio foi aplicado. Ele foi colocado, então, em coma induzido.

Depois de quatro cirurgias e uma suposta falência dos rins, na sexta-feira passada, o ator melhorou e foi retirado do coma. Agora, estaria sendo tratado em uma câmara hiperbárica para acelerar a cicatrização dos ferimentos.

O ator já estaria se alimentando, mas terá que esperar de dois a três dias para que “ver os resultados”, informou o jornal português Correio da Manhã.

Segundo a agência Glam, que representa o artista, o estado de saúde de Rodrigues “continua grave”, apesar das melhoras.

Rodrigues já atuou em séries brasileiras

Perigos

Injeções de testosterona se tornaram populares entre homens e mulheres que buscam melhorar a performance esportiva e ganhar músculos mais rapidamente.

Isso porque a testosterona, hormônio importante para a maturação dos ossos, crescimento muscular e desenvolvimento das funções sexuais, provoca hipertrofia muscular.

Mas os “danos” do uso desse medicamento sem supervisão médica “são muito maiores” do que os “ganhos”, explica à BBC News Brasil Clayton Macedo, doutor em endocrinologia clínica pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e um dos maiores especialistas brasileiros no assunto.

Macedo foi um dos idealizadores do projeto Bomba? Tô Fora, que conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), focado em alertar sobre os perigos do uso de anabolizantes.

A campanha também será lançada em Portugal em parceria com os médicos do país em janeiro do ano que vem, durante um congresso de endocrinologia.

“Os efeitos colaterais das injeções de testosterona são gigantescos. Estamos lidando com um problema de saúde pública.”

“O uso desse tipo de anabolizante provoca danos físicos, comportamentais e psicológicos.”

Riscos diversos

Segundo Macedo, os problemas vão desde dependência química a doenças no fígado e no coração, passando por agressividade e depressão.

O especialista diz que um dos riscos mais preocupantes de quem faz uso de injeções de testosterona é o vício. Segundo ele, estudos mostram 57% dos usuários podem desenvolver dependência química, uma vez que a testosterona injetada interrompe a produção interna da substância.

“Mesmo que o indivíduo pare de usar a medicação, a glândula fica bloqueada e ele sofre com deficiência hormonal. Acaba, então, usando mais. É um círculo vicioso.”

Macedo também explica que, como o cérebro humano tem “muito receptor para esse hormônio, que é um estimulante potente”, pode ter mudanças comportamentais, como agressividade, irritabilidade, alucinações, depressão e tendências suicidas.

“Um estudo feito na Dinamarca que acompanhou 500 usuários de anabolizantes por dez anos mostrou que eles têm um risco nove vezes maior de cometerem um crime. Há relatos de que, em alguns casos de feminicídio, por exemplo, o homem fazia uso de anabolizantes”, destaca.

O especialista lembra ainda dos problemas no coração, fígado e testículos.

“O excesso de testosterona pode causar hipetrofia do coração, insuficiência cardíaca e morte súbita. Isso sem falar nos danos ao fígado, pois altera o metabolismo do órgão, provocando hepatite medicamentosa ou falência hepática aguda.”

“Essa droga também altera a libido, atrofia os testículos e pode causar ginecomastia (crescimento de mamas) e infertilidade irreversível.”

Macedo diz que até mulheres vêm fazendo uso de testosterona injetável.

“Nelas, essa substância muda o timbre de voz e pode provocar hipertrofia do clitóris.”

Homem tensiona músculos das costas
Uso de testosterona só é indicado para quem tem deficiência comprovada do hormônio

Uso restrito

Segundo Macedo, o uso de testosterona só é indicado para quem tem deficiência comprovada do hormônio, como no caso de alguns pacientes com câncer, defeitos genéticos, traumas testiculares e retardo na hipófise (glândula que controla o funcionamento de outras glândulas).

Ele explica, no entanto, que na busca pelo “corpo perfeito”, usuários desse tipo de anabolizante chegam a usá-lo em proporções até 100 vezes maiores do que as usadas por pacientes que realmente precisam de reposição hormonal.

A compra de testosterona injetável para fins medicinais segue regras rígidas no Brasil. É necessária receita médica. Além disso, também se requer o CPF do médico e o Código Internacional da Doença (CID).

Apesar disso, muitos usuários conseguem obter o produto no mercado negro.

“A mídia vende essa ideia do corpo perfeito e cada vez mais pessoas fazem de tudo para obtê-lo. Precisamos conscientizar especialmente os jovens sobre os efeitos colaterais do uso de anabolizantes. Não vale a pena e os danos são para a vida toda”, conclui Macedo.

BBC Brasil

0 0
0 %
Happy
0 %
Sad
0 %
Excited
0 %
Angry
0 %
Surprise
Close