Painel Político

Revista, é uma editoria do site Painel Político, e apresenta notícias variadas sobre tecnologia, streaming, variedades, famosos, fatos do cotidiano no Brasil e no mundo.

Áudio atribuído a juiz fala de prisão em massa de promotores em MT

Para seus contatos
Read Time1 Minute, 36 Second

Site de Brasília repercutiu mensagem de juiz, que teria comentado sobre possível prisão de promotores envolvidos em grampos

O escândalo do núcleo clandestino de interceptações telefônicas instalado na Polícia Militar de Mato Grosso, conhecido como Grampolândia Pantaneira, voltou a ser notícia nacional nesta quinta-feira (8).

Dessa vez, o comentário gira em torno da participação de membros do Ministério Público do Estado (MPE). O caso voltou à tona em reportagem do site Correio Braziliense, que divulgou conteúdo de um suposto áudio de autoria do juiz mato-grossense Tiago Nogueira de Abreu.

Ele é presidente da Associação Mato-grossense de Magistrados (Amam) e teria encaminhado uma mensagem a um juiz de Brasília (DF) – cujo nome é desconhecido -, por áudio, sobre uma “organização criminosa” instalada no MP de Mato Grosso.

O caso refere-se às denúncias de militares feitas à Justiça. Em interrogatório, eles revelaram que ao menos seis promotores costumavam utilizar interceptações telefônicas ilegais em investigações do Gaeco. A denúncia já é investigada pela Procuradoria-Geral de Justiça de Mato Grosso.

Tiago Nogueira de Abreu

Conforme a reportagem, Tiago Abreu teria comentado que as investigações estimuladas por novas revelações poderiam “desbaratar” essa organização.

“Isso aqui está bem próximo de ser descortinado e a gente ter a primeira prisão em massa de promotores de justiça. Até uma forma de a gente dar uma lição para o nosso país”, teria dito o juiz.

A mensagem do juiz mato-grossense teria sido enviada no início da semana, depois que a senadora Selma Arruda (PSL) alegou que o Gaeco estaria sofrendo perseguição.

Tiago de Abreu considerou a fala da parlamentar – que é juíza aposentada – “antiética”. Na ocasião, a Amam chegou a emitir nota defendendo o Poder Judiciário mato-grossense.

O LIVRE procurou o juiz Tiago Abreu para comentar o caso. No entanto, até a publicação da matéria, ele não retornou contato. O espaço segue aberto.

Com informações do Livre/MT

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo