CNH vencida pode ser usada como identificação pessoal, decide STJ

Read Time2 Minutes, 36 Seconds

Decisão foi em ação movida por candidata em concurso público

CNH vencida pode ser usada como documento de identificação pessoal. É o que entendeu a 1ª turma do STJ ao analisar recurso de candidata de concurso público que alegou ter sido impedida de realizar a prova por apresentar documento vencido.

Apesar disso, o colegiado negou provimento ao recurso.

A candidata alegou que foi impedida de realizar a prova para o cargo de cirurgião dentista por ter apresentado, no momento de identificação, CNH vencida. Segundo ela, o documento teria sido recusado pelo fiscal de prova. Assim, pediu a realização de nova prova para o cargo.

A candidata impetrou MS no TJ/DF. Mas o Tribunal considerou que a apresentação do documento vencido contrariou item do edital, segundo o qual “documentos fora do prazo de validade não seriam aceitos”.

Ao analisar o caso, o relator, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, pontuou que a controvérsia posta nos autos refere-se à possibilidade de utilização da CNH com prazo de validade expirado como documento de identificação pessoal.

O ministro salientou que, em recente julgado, a 1ª turma do STJ firmou entendimento no sentido de que o prazo de validade constante da CNH “deve ser considerado estritamente para se determinar o período de tempo de vigência da licença para dirigir” e “não se vislumbra qualquer outra razão para essa limitação temporal constante da CNH, que não a simples transitoriedade dos atestados de aptidão física e mental que pressupõem o exercício legal do direito de dirigir”.

Nesse contexto, o ministro entendeu ser ilegal impedir candidato de realizar prova de concurso sob o argumento de que o Edital exigia documento de identificação dentro do prazo de validade, uma vez que não foi observado o regime legal afeto ao documento utilizado – no caso, o CTB.

“Acrescente-se, ainda, não haver violação ao princípio da vinculação ao instrumento convocatório, mas tão somente a utilização dos princípios da razoabilidade e proporcionalidade para se afastar a restrição temporal no uso da CNH para fins de identificação pessoal em sede de Concurso Público.”

Apesar do entendimento, o relator ponderou que, no caso em questão, a impetrante não demonstrou ter sido eliminada do certame em decorrência de ter apresentado CNH fora do prazo de validade como documento de identificação para a realização de provas.

“Tais alegações deveriam ter sido veiculadas em Ação Ordinária, a qual admite dilação probatória. Portanto, o acolhimento das razões recursais é inviável na via estreita do Mandado de Segurança, ante a necessidade de dilação probatória. Com efeito, ausente a prova do direito líquido e certo, deve ser mantida a denegação da segurança, ainda que por outros fundamentos.”

O voto foi seguido à unanimidade pelo colegiado, que negou provimento ao recurso.

Confira a íntegra do acórdão.

As informações são do Migalhas

0 0
0 %
Happy
0 %
Sad
0 %
Excited
0 %
Angry
0 %
Surprise
Close