Corpos de índios mortos a tiros no interior do MA serão enterrados nesta segunda-feira

Compartilhe
Read Time2 Minute, 16 Second

Os outros dois índios feridos no ataque estão internados em hospitais dos municípios de Presidente Dutra e Jenipapo dos Vieiras. A Polícia Federal abriu inquérito para investigar o caso

Os corpos dos caciques Firmino Silvino Guajajara e Raimundo Bernice Guajajara, que foram mortos a tiros em um atentado a indígenas no Maranhão, serão enterrados nesta segunda-feira (9) na Terra Indígena Cana Brava, no município de Jenipapo dos Vieiras, localizado a 506 km de São Luís. No ataque, outros dois índios ficaram feridos.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (PF), um dos índios feridos está internado no Hospital Macrorregional de Presidente Dutra onde foi submetido a uma cirurgia. Ele encontra-se estável, mas seu estado de saúde ainda é considerado grave. O outro indígena está internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Jenipapo dos Vieiras e a previsão é que receba alta nesta segunda. Os dois estão sob proteção policial.

Um representante do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos deve desembarcar nesta segunda-feira (9) no município de Imperatriz para realizar uma visita a aldeia indígena em Jenipapo dos Vieiras e acompanhar as investigações.

Raimundo Guajajara morreu durante o ataque a índios em Jenipapo dos Vieiras no Maranhão — Foto: Divulgação/Apib
Raimundo Guajajara morreu durante o ataque a índios em Jenipapo dos Vieiras no Maranhão — Foto: Divulgação/Apib

De acordo com a Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que está sendo acompanhado por representantes e rondas ostensivas feitas pela Polícia Militar estão sendo realizadas na região em busca dos atiradores. O coordenador da Funai em Imperatriz, Guaraci Mendes, acredita que o crime pode ter relação com os constantes assaltos registrados no trecho da BR-226.

Índios protestam

Por conta dos atentados, os índios Guajajaras bloquearam por quase dois dias ao trecho da BR-226 na altura das aldeias indígenas Boa Vista e El Betel, localizado entre os municípios de Barra do Corda e Grajaú. O trecho foi totalmente liberado no final da tarde desse domingo (8).

Os indígenas usaram galhos e pedaços de madeira para bloquear os três pontos da BR-226. Motoristas que precisavam passar pelo trecho tiveram como opção usar as BR-010, BR-222 ou pela BR-135, que compreende o trecho entre São Luís até o município de Paraibano, no Maranhão. Via G1/MA

Continue lendo…

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Close