Faça parte de nossos grupos de Whatsapp

Economia

Efeito cascata com fechamento de fábrica da Ford ameaça até 24 mil empregos

Dados foram levantados pelo Dieese; empresa alega que tentou evitar fim da produção

saída da Ford do mercado de caminhões vai gerar um efeito em cascata ainda difícil de mensurar.

Distribuidores e fornecedores da fábrica de São Bernardo (SP) vão quebrar nos próximos meses, porque as demais empresas do setor não terão condições de substituir a demanda que vinha da montadora americana.

Isso vai engrossar a fila de desempregados na região do ABC paulista, que já foi o maior polo automotivo do Brasil, gerando um problema social grave. Apenas na própria Ford serão cerca de 3 mil demissões (o sindicato fala em 2,8 mil).

A fim das atividades da fábrica deve impactar uma cadeia com 24 mil trabalhadores, estimam o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Começa agora uma complexa negociação com os sindicatos, mas a Ford não pretende remanejar praticamente nenhum funcionário. As unidades de Taubaté (SP) e Camaçari (BA) estão com o quadro completo —a fábrica na Bahia seria, inclusive, distante demais para propiciar um rearranjo desse tipo.

Ford também encerra produção do Fiesta

O anúncio do fim das atividades da Ford em São Bernardo (SP) pegou todos de surpresa. Ao contrário da General Motors, a montadora americana não ameaçou, nem tentou negociar benesses tributárias com os governos estadual ou federal.

Fatores de mercado foram determinantes para o fechamento da fábrica. Em primeiro lugar, pesou a crise no mercado de caminhões, que subiu impulsionado por incentivos do governo nos anos petistas, mas depois caiu abruptamente. Houve alguma recuperação recente, mas, na média, o setor continua com 70% de capacidade ociosa.

Um segundo aspecto importante é a situação da própria Ford. Como as demais montadoras, a empresa vem perdendo dinheiro no Brasil. De 2013 a 2018, a Ford América do Sul acumula um prejuízo de US$ 4,5 bilhões.

Soma-se a isso o fato de que a Ford não produz caminhões em nenhum outro lugar do mundo. Logo custos de engenharia e desenvolvimento de novos produtos não são diluídos.

Segundo apurou a reportagem, o comando da Ford até tentou evitar o fechamento da fábrica durante os últimos dois anos. Houve, inclusive, negociações para vender a fábrica ou fechar algum tipo de parceria, mas não prosperam.

A empresa também vai encerrar a produção do Fiesta.

As informações são de Raquel Landim – Folha

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.
Related posts
EconomiaVídeos

Aprenda, de forma simplificada, como funciona o mercado de ações

Economia

8° Edição da Rondônia Rural Show é um marco para economia do Estado, diz Presidente da Fecomércio

Economia

Em 10 anos, acidentes de trânsito feriram 1,6 milhão e custaram R$ 2,9 bi ao SUS

Economia

Grupo chinês vai construir usina de aço no Pará em parceria com a Vale, por R$ 1,5 bi

Assine nossa newsletter e receba nosso boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *