Ex-marido de professora morta a pauladas tem a pensa reduzida, em RO

Compartilhe
Read Time2 Minute, 38 Second

Condenação passou a ser de 34 anos e dois meses. Ueliton Aparecido da Silva é acusado de assassinar professora a pauladas em Candeias do Jamari; crime ocorreu em março deste ano

A Justiça reduziu a pena de Ueliton Aparecido da Silva, condenado por matar a professora Joselita Félix a pauladas em Candeias do Jamari (RO), Região Metropolitana. Conforme a decisão desta quinta-feira (12), os magistrados da 1ª Câmara Criminal de Porto Velho decidiram por redimensionar a pena do réu de 35 anos para 34 anos e dois meses.

Entre as justificativas para reduzir a pena, conforme o Tribunal de Justiça de Rondônia (TJ-RO), está a de Ueliton ter confessado o crime. Ainda não há informações sobre o que teria motivado a redução da pena pelo relator do caso, o desembargador José Antonio Robles.

O Ministério Público do Estado (MP-RO) enviou um parecer pedindo para manter a pena inicial do réu, ainda de acordo com o TJ-RO.

Joselita foi assassinada a pauladas dentro de casa. O júri popular de Ueliton Aparecido, ex-companheiro da educadora, ocorreu seis meses depois. Desde então, o réu cumpre a pena em regime fechado em uma penitenciária de Porto Velho.

Ueliton Aparecido foi condenado por homicídio contra a educadora, com as qualificadoras: motivo torpe (recurso que dificultou a defesa da vítima e na presença de ascendente), meio cruel e feminicídio (considerando violência doméstica e familiar).

Também foi acusado de tentativa de homicídio contra o pai de Joselita, com as qualificadoras: motivo torpe (recurso que dificultou a defesa da vítima) e meio cruel.

Ueliton Aparecido foi condenado pela morte de Joselita Félix. — Foto: Divulgação

Relembre o caso

Joselita foi morta pelo ex-marido em março, em Candeias do Jamari. Ele foi preso logo depois do crime. O pai da educadora, Francisco Félix, estava em casa e presenciou o ataque. O idoso tentou salvar a filha e segurar o suspeito, mas também foi atacado a pauladas. Ele ficou internado e, dias depois, recebeu alta e foi informado da morte da filha.

Em audiência de instrução em maio deste ano, Ueliton foi interrogado e confessou ter matado Joselita. Porém, negou que tenha sido a pauladas. Disse que a empurrou para se defender e que a educadora teria caído e batido a cabeça. O réu alegou “legítima defesa”, após ter sido supostamente “agredido por Joselita e pelo pai da vítima ao mesmo tempo”.

Ueliton foi acusado pelo Ministério Público de Rondônia (MP-RO) de tentativa de homicídio e feminicídio. A vítima e o acusado ficaram juntos cerca de 3 anos.

Continue lendo…

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Close