Faça parte de nossos grupos de Whatsapp

Economia

Governo pressiona com Bolsa Família para aprovar crédito suplementar, “sem ele, programa para em setembro”

Ministro disse que se crédito não for aprovado pelo Congresso, além do Bolsa Família, BPC e Plano Safra também serão afetados; apesar do receio, ele afirma apostar que “isso não vai acontecer” e que valor será aprovado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (14) que o Bolsa Família só terá recursos para funcionar até setembro caso o Congresso Nacional não aprove o crédito suplementar de R$ 248 bilhões pedidos pelo governo para este ano.

“Se o Congresso não aprovar, o Bolsa Família para em setembro”, declarou o ministro em discurso em uma audiência na Comissão Mista de Orçamento (CMO).  Guedes afirmou, ainda, que sem o crédito solicitado, outros programas, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o Plano Safra, também ficariam sem verba para funcionar neste ano.

Segundo o ministro, desses R$ 248 bilhões pedidos, R$ 6 bilhões são destinados ao programa de transferência de renda, o Bolsa Família. A maior parte desse valor, no entanto (R$ 200 bilhões) é dedicada ao pagamento de aposentadorias .

Apesar do apelo, Guedes disse estar confiante na aprovação do crédito . “Evidente que isso não vai acontecer, aposto que o Congresso vai aprovar o crédito suplementar”, ressaltou. 

Segundo Guedes, R$ 6 bilhões em verbas do crédito suplementar serão destinadas ao Bolsa Família

De acordo com o ministro, sem o crédito, os pagamentos de subsídios param em junho, de benefícios assistenciais em agosto e, do Bolsa Família, em setembro. “Tenho que apostar que o Congresso vai aprovar o crédito suplementar”, completou ele, durante audiência da Comissão Mista de Orçamento (CMO). 

Guedes reforçou a necessidade de aprovação da reforma da Previdência e disse que o crescimento desses gastos pode impedir a tentativa do governo de “salvar o País”. “Pode não dar tempo”, afirmou. 

Eles ponderou ainda que, como ministro da Economia, “manda muito pouco” e que não é ele quem decide onde são feitos cortes orçamentários, já que o presidente Jair Bolsonaro indica as prioridades do governo. “As pessoas acham que eu tenho muito mais poder do que eu tenho. O poder está em quem vai sancionar leis”, concluiu. 

Com IG Economia/Estado de Minas

Sobre o autor

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.
Related posts
Economia

Fecomércio apresenta Proposta para o Desenvolvimento Aéreo de Rondônia ao Prefeito Hildon Chaves

Economia

Caixa diz que ganhador de R$ 289,4 milhões é de Pernambuco, mas população desconfia de sorteio

Economia

Número de brasileiros barrados em Portugal mais que dobrou em 2018

Economia

Avianca cancela 78 voos no DF até terça-feira; veja a lista

Assine nossa newsletter e receba nosso boletim semanal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *