Jornalista desde a década de 1970, Ricardo Boechat ganhou três prêmios Esso

Read Time1 Minute, 23 Seconds

Apresentador da Band morreu nesta segunda-feira, em acidente de helicóptero

O jornalista Ricardo Boechat começou a carreira na década de 1970 no jornal Diário de Notícias, onde trabalhou com o colunista Ibrahim Sued e deu início a uma longa trajetória na área que o consagrou no jornalismo impresso: as colunas de notas. No fim dos anos 1970, foi para O GLOBO e assumiu a coluna Swann. Foram duas passagens no jornal: na segunda, que se estendeu até 2001, foi durante anos o titular de uma coluna que levava seu nome. Ao todo, foram mais de 20 anos na redação do GLOBO.

Os furos jornalísticos renderam a Boechat três prêmios Esso (em 1989, 1992 e 2001), então a premiação mais importante da profissão. O jornalista também passou pelo Jornal do Brasil e pelos jornais “O Estado de S. Paulo” e “O Dia”. Ele também teve uma breve passagem como secretário de Comunicação Social do governo do Rio, na gestão de Moreira Franco, em 1987.

Na televisão, foi comentarista da TV Globo e do SBT e, há mais de dez anos, ancorava o Jornal da Band. Já nos anos 2000, ampliou o leque de atuação e tornou-se um sucesso também no rádio: de segunda a sexta, apresentava um programa matinal na Rádio BandNews FM. Atualmente, também mantinha uma coluna na revista IstoÉ.

Filho de diplomata, Boechat nasceu em Buenos Aires, em 13 de julho de 1952. Casado com Veruska Seibel, o jornalista deixa seis filhos.

Boechat morreu na queda de um helicóptero, na manhã desta segunda-feira quando ia de Campinas para São Paulo.

0 0
0 %
Happy
0 %
Sad
0 %
Excited
0 %
Angry
0 %
Surprise
Close