Líder de grupo religioso e falsa viúva aplicaram golpe milionário em venda de gado, no GO

Read Time2 Minutes, 33 Seconds

Investigação apontou que eles mandavam vídeos do gado sendo marcado para enganar as vítimas, em Goiânia

O líder de uma igreja em Goiânia foi preso suspeito de chefiar um grupo que aplicou golpes na venda de gado. O prejuízo às vítimas foi calculado, até o momento, em R$ 1,5 milhão. Outra investigada se mudou do país e é considerada foragida.

A prisão aconteceu na sexta-feira (26). Segundo as investigações, o grupo negociava a venda de gado e recebia o pagamento, mas não entregava os animais. Três vítimas já foram identificadas, mas a polícia acredita que existam mais.

Neire Monteiro, de 37 anos, suspeita de aplicar golpe da venda de gado com líder religioso — Foto: Divulgação/Polícia Civil

A corretora de imóveis Neire Monteiro, de 37 anos, suspeita de aplicar golpes na venda de gado, se passava por uma viúva que queria vender os animais da fazenda do suposto marido, segundo a polícia. O delegado contou que ela está foragida e leva uma vida de luxo em Londres com o dinheiro das vítimas.

Helder, líder religioso preso suspeito de dar golpe em venda de gado e ter causado prejuízo de R$ 1,5 milhão — Foto: Vitor Santana/G1

O líder de grupo religioso Helder Divino Ferreira de Araújo, de 45 anos, foi preso na sexta-feira (26) suspeito de chefiar a organização criminosa. Segundo as investigações, o grupo negociava a venda de gado e recebia o pagamento, mas não entregava os animais. A Polícia Civil acredita que o grupo tenha causado prejuízos de até R$ 1,5 milhão às vítimas.

O delegado Carlos Caetano disse que o preso se aproximou de fiéis e arrumou duas pessoas para criar uma história e enganar as vítimas.

Neire Monteiro, de 37 anos, suspeita de aplicar golpes e viver vida de luxo no exterior com dinheiro das vítimas — Foto: Divulgação/Polícia Civil

“Ele se aproximou de pessoas na célula religiosa, se passava por veterinário, dizia que conhecia uma viúva [Neire] que perdeu o marido e o filho e queria vender o gado. Em alguns casos, chegaram a levar vítimas até a entrada de uma fazenda para dar veracidade na história”, disse.

A polícia contou que Neire disse que enviaria um advogado para representá-la, mas ninguém se apresentou até o fim da manhã desta segunda-feira (29). Já a defesa de Helder afirmou inicialmente que ele é inocente e também foi vítima de um golpe.

Neire e Helder também tinham ajuda de um terceiro, que a polícia ainda tenta identificar. Ele se passava por caseiro da falsa fazenda da mulher.

Imagem enviada a vítimas de golpe que mostra gado marcado para venda — Foto: Divulgação/Polícia Civil

“Eles chegaram a gravar vídeos marcando o gado com as iniciais de uma das vítimas para fingir que realmente existiam os animais”, completou o delegado.

Com informações do G1/GO

0 0
0 %
Happy
0 %
Sad
0 %
Excited
0 %
Angry
0 %
Surprise
Close