Aos investigadores, ele disse que ‘foi um acidente’ ao acender cigarro

O marceneiro Alex Alexandre Ferreira, de 41 anos, jogou álcool na esposa, ateou fogo e a deixou trancada no quarto durante 17 horas, de acordo com a Polícia Civil. O crime ocorreu em outubro de 2018, na Zona Sul de São Paulo. O investigado estava desaparecido desde então, até ser encontrado e preso em Goiânia, na sexta-feira (19).

O homem confessou que jogou o líquido inflamável em Sheron Chaves Monteiro, que tinha 34 anos. No entanto, alega que ela se queimou acidentalmente, pois o fogo surgiu quando eles foram fumar.

“Ele confessa parcialmente o crime. Disse primeiro que um botijão de gás tinha explodido. Mas mudou a versão falando que eles estavam fazendo um churrasco, tinha uma garrafa de álcool, eles começaram a brigar e jogou o álcool nela. Disse que, depois, eles saíram para fumar e isso provocou as queimaduras. Mas não explicou porque não deu socorro à companheira”, contou a delegada Marcella Orçai.

Alex Alexandre Ferreira, de 41 anos, preso suspeito de jogar álcool na esposa, atear fogo e a deixar trancada no quarto durante 17 horass, de acordo com a Polícia Civil Goiás Goiânia — Foto: Vitor Santana/G1
Alex Alexandre Ferreira, de 41 anos, preso suspeito de jogar álcool na esposa, atear fogo e a deixar trancada no quarto durante 17 horass, de acordo com a Polícia Civil Goiás Goiânia — Foto: Vitor Santana/G1

Segundo as investigações, feitas por São Paulo, Sheron morreu queimada na própria casa. A polícia apontou ainda que a vítima permaneceu por 17 horas no local, com mais de 70% do corpo queimado, até que uma vizinha lhe prestasse socorro. Sheron não resistiu aos ferimentos e morreu quatro dias depois, em um hospital da capital paulista.

Ao ser apresentado à imprensa pela Polícia Civil, nesta segunda-feira (22), o preso reforçou que foi um acidente e que não chamou socorro para a vítima por medo, mas não explicou do que.

Alex foi preso após policiais da Delegacia de Investigação de Homicídio (DIH) assistirem a uma matéria sobre o caso, pesquisarem pelo suspeito e descobrirem que ele tinha parentes em Goiânia.

O marceneiro estava morando há três semanas com uma mulher no setor Luana Park. Ele foi preso quando chegava para trabalhar, no Setor Solange Park.

Segundo a Polícia Civil, Alex vai responder por feminícidio. Caso seja condenado, a pena pode chegar a 30 anos de prisão. Ele deve ser encaminhado para um presídio de São Paulo, onde aconteceu o crime.

Do G1/GO