Para seus contatos
Read Time2 Minute, 1 Second

Grávida segue internada, mas bebê não foi abortado, diz polícia

A Polícia Civil confirmou, na tarde desta terça-feira (18), que prendeu o médico suspeito de aplicar uma injeção abortiva na namorada grávida em Ariquemes (RO). O profissional de saúde deve ficar preso até passar por uma audiência de custódia.

O suspeito prestou depoimento ao delegado Lucas Torres durante a manhã desta terça-feira. O conteúdo do interrogatório não foi divulgado para não atrapalhar as investigações.

Porém, após o interrogatório, o médico continuou preso em uma cela do presídio local. Segundo a polícia de Ariquemes, o homem deve passar por uma audiência de custódia na quarta-feira (19), quando será decidido se ele vai poder responder pelo crime em liberdade.

Injeção abortiva

O médico de 36 anos é principal suspeito de ter tentado provocar um aborto na namorada, de 21 anos. Aos policiais militares, a jovem de 21 anos contou na noite de terça-feira (17) que recebeu, sem consentimento, uma injeção abortiva.

Segundo relato da vítima, o crime teria acontecido depois do casal sair de um motel e ir até a casa do médico. Enquanto estava na casa, o namorado lhe ofereceu uma massagem, momento que o suspeito teria amarrado as mãos da vítima com uma calcinha. Usando uma seringa, um homem teria aplicado uma substância na jovem, no 9° mês de gestação.

A vítima alega ter entrado em luta corporal com o suspeito, mas este a dominou e colocou uma substância em seu nariz, onde acabou adormecendo. Ao acordar, a jovem diz que estava sangrando nas partes íntimas e que o namorado se recusou a levá-la embora. “Ele disse que a medicação era para meu próprio bem”, afirmou a mulher em depoimento.

Depois da namorada insistir, o médico levou a jovem até a casa da tia, que então socorreu a gestante até a UPA. Na unidade foi constatado a tentativa de aborto na mulher.

Segundo a Polícia Civil, a mulher não perdeu o bebê e prestou depoimento por videoconferência nesta terça-feira. A vítima segue internada no hospital de Ariquemes. Com G1

||+destaques