Painel Político

Revista, é uma editoria do site Painel Político, e apresenta notícias variadas sobre tecnologia, streaming, variedades, famosos, fatos do cotidiano no Brasil e no mundo.

MP recorre na própria sessão de julgamento do agente penitenciário que jogou soda cáustica em médico

Para seus contatos
Read Time1 Minute, 55 Second

Os jurados decidiram contra as provas dos autos também no tocante a qualificadora de recurso que dificultou a defesa da vítima

O Ministério Público do Estado de Rondônia já recorreu da decisão que condenou o agente penitenciário Oziel Araújo Fernandes a pena de cinco anos de reclusão, no regime semiaberto, acusado de ter jogado soda cáustica no rosto do médico infectologista Gladson Siqueira, na manhã do dia 6 de março deste ano, no estacionamento do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), na capital. O médico teria um caso amoroso com a esposa do agente penitenciário, uma enfermeira do SAE e HB.

O recurso foi interposto pelo Promotor de Justiça Elias Chaquian Filho, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, na mesma sessão do julgamento, logo após a leitura da sentença, ocorrida na quarta-feira (14/8), por considerar que a sentença não teve razoabilidade, ou seja, foi ínfima, considerando a gravidade do crime.

O Promotor de Justiça Elias Chaquian pediu a condenação em uma tentativa de homicídio triplamente qualificada (motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. “O julgamento foi contrário à prova dos autos porque o Conselho de Sentença ignorou que o réu tinha descoberto que vítima e o pivô do crime ainda estavam conversando via Whatsapp, e passou a premeditar o crime, não sendo impelido por violenta emoção.

Médico perdeu a visão após o ataque

Além disso, os jurados decidiram contra as provas dos autos também no tocante a qualificadora de recurso que dificultou a defesa da vítima, pois ele foi aspergido com o líquido dentro do carro, sem que pudesse se esquivar, bem como a pena aplicada foi muito abaixo do justo para um delito dessa gravidade”, entende o Promotor de Justiça.

Oziel foi condenado por tentativa de homicídio privilegiado-qualificado, pois o Conselho de Sentença (formado por quatro homens e três mulheres) entendeu que o agente penitenciário agiu sob violenta emoção logo após injusta provocação da vítima, e utilizou de meio cruel, consistente em jogar a soda cáustica, substância altamente corrosiva.

O médico, que teve sua visão comprometida, está em São Paulo se recuperando de uma operação, e durante o julgamento foi ouvido por meio de videoconferência (whatsapp). Devido ao caráter passional do crime, o caso foi a julgamento em segredo de justiça.

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo