Para seus contatos
Read Time2 Minute, 36 Second

Hans Brasiel da Silva Chaves, 31, foi assassinado a tiros enquanto trabalhava. Preso suspeito do crime já havia sido indiciado, em 2018, por tentativa de matar a vítima

A Polícia Civil repassou, nesta quinta-feira (27), detalhes sobre a investigação que levou à prisão do advogado Adelúcio Lima Melo, suspeito de matar o também advogado Hans Brasiel da Silva Chaves (foto em destaque), 31, em Aruanã, no nordeste de Goiás. A corporação apontou que os dois tinham uma rixa antiga, motivada principalmente pela disputa de clientes na cidade.

As investigações apontaram ainda que a desavença entre eles já havia culminado em uma tentativa de homicídio contra a vítima ainda em 2018. O investigado foi indiciado à época, mas nega ter ordenado a execução do colega de profissão.

“Existem informações nos autos que dão conta que vítima e mandante seriam, supostamente, advogados inimigos na comarca. Depoimentos dão conta de rixas passadas, intrigas e desavenças, […] dentre outras possibilidades que envolvem a vida pessoal de ambos”, disse o delegado Rilmo Braga, coordenador da força-tarefa criada para apurar o caso.

Hans foi assassinado a tiros dentro de seu escritório no último dia 6. No dia seguinte, um homem foi preso e um menor, apreendido, suspeitos do crime. De acordo com Braga, o maior disse que receberia R$ 7 mil para executar a vítima e chamou o menor para participar do crime.

Advogado Adelúcio, suspeito de mandar matar o também advogado Hans — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Tentativa de homicídio

A rixa antiga entre eles, relatada pela polícia, já foi escancarada em agosto de 2018, quando Hans já tinha sido vítima de uma tentativa de homicídio. Segundo a polícia, Adelúcio também ordenou esse crime.

“Existe um inquérito policial em que o atual preso foi indiciado por tentativa de homicídio contra a vítima no ano passado. Inquérito que já foi concluído com autoria definida e indiciamento”.

Luara Adelino de Almeida Brasiel, esposa de Hans, que foi assassinado em Aruanã — Foto: Sílvio Túlio/G1

A esposa de Hans, Luara Adelino de Almeida Brasiel, que está grávida do advogado, se lembra dessa situação. Ela afirmou que dois dias antes, o marido foi intimidado por Adelúcio.

“Eles discutiram é o Adelúcio falou: ‘ou você se afasta da advocacia criminal em Aruanã, ou vai ter uma tragédia’. Antes da chegada do Hans na cidade, ele pegava todos os casos”, afirmou.

Indignada com a morte de Hans, Luara pede por justiça e lamenta a morte do marido. A mulher disse que eles realizariam o sonho de ter filhos. Segundo ela, há um ano o casal tentava engravidar e ela só descobriu que estava gestante após o assassinato da vítima.

OAB pode suspender preso

De acordo com Edemundo Dias, presidente da Comissão de Segurança Publica da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO), Adelúcio pode ter suspenso ou extinto seu direito de advogar devido às acusações.

“Está em processo e, provavelmente, esse advogado vai ter sua carteira suspensa até o desfecho desse caso. Se condenado, com certeza perderá. A OAB tinha conhecimento dessas divergências. Não se poderia supor que isso traria um desfecho dessa forma”, destaca. Com G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *