Painel Político

Revista, é uma editoria do site Painel Político, e apresenta notícias variadas sobre tecnologia, streaming, variedades, famosos, fatos do cotidiano no Brasil e no mundo.

O dia que Rubens Barrichelo provou que é bom até com carro de passeio

Para seus contatos
Read Time4 Minute, 16 Second

Participação do piloto brasileiro no Top Gear mostrou que, de corrida ele entende como ninguém

No Brasil ele sempre foi injustiçado e chegou a virar sinônimo de ‘chegar atrasado’. Mas Rubens Barrichelo disputou de maneira ininterrupta o campeonato mundial de Fórmula 1 entre os anos de 1993 e 2011, tendo se tornado o piloto mais experiente da história desta categoria.

Barrichello guiou pela Scuderia Ferrari de 2000 a 2005, como companheiro de equipe de Michael Schumacher, desfrutando de um grande sucesso, sagrou-se vice-campeão em 2002 e 2004. A aposentadoria de Schumacher no final de 2006 fez de Barrichello o piloto mais experiente do grid e, no Grande Prêmio da Turquia de 2008, ele atingiu a marca de 257 largadas, tornando-se o piloto com maior número de corridas disputadas na Fórmula 1. Em 2010, no Grande Prêmio da Bélgica de 2010, atingiu a incrível marca de 300 GPs disputados.

Após competir pela Brawn GP na temporada de 2009, ele foi confirmado para 2010 na equipe Williams, e teve seu contrato renovado para o campeonato seguinte. Em 2011, Rubens disputou sua 19.ª temporada, tornando-se o piloto com maior número de temporadas ininterruptas disputadas. Em 2012, após ser substituído na Williams por Bruno Senna, Barrichello não encontrou oportunidade em outra equipe e, por essa razão, não disputou o campeonato. Com isso, ele correu na Fórmula Indy em 2012, e no fim do mesmo ano disputou 3 corridas na Stock Car Brasil.

Em 2014, sagrou-se campeão da Stock Car Brasil.

Em 2015, sagrou-se campeão Sul-Americano de Kart Rotax e quarto colocado no Mundial dessa categoria, correndo ao lado dos mais jovens no mesmo nível de competitividade

Em 2010 participou do episódio de Top Gear, onde Rubens Barrichello mostrou seu talento batendo o recorde de tempo com o Suzuki Liana, incluindo o misterioso Stig, personagem posteriormente desvendado como sendo o piloto inglês Ben Collins e calando seus críticos. Veja o vídeo (legendado)

Veja 15 fatos sobre Barrichelo

1. O GP da Alemanha de 2000 foi o de número 124 da carreira de Barrichello. Na ocasião, ele se tornava o piloto que demorou mais tempo para vencer uma corrida na F1. Esse recorde foi tomado por Mark Webber, que levou 130 GPs até a primeira conquista.

2. O piloto da Ferrari liderou apenas dez das 45 voltas do GP da Alemanha. Mika Hakkinen, segundo colocado na prova, foi quem mais andou na frente, com 33 giros.

3. Um problema elétrico na Ferrari F1-2000 durante o treino classificatório fez com que Barrichello entrasse na pista apenas no fim da sessão. Por causa disso, o brasileiro conquistou apenas o 18º lugar do grid. A pole foi de David Coulthard, da McLaren.

4. Ao fim da primeira volta do GP, Barrichello já ocupava a décima posição. Michael Schumacher, segundo colocado do grid, abandonou logo na primeira curva, após ser tocado pela Benetton de Giancarlo Fisichella.

5. Na 15ª volta, o brasileiro já era o terceiro colocado. O bom ritmo do piloto da Ferrari estava relacionado à sua estratégia de prova: faria duas paradas, enquanto a maioria dos rivais partia para o plano de apenas um pit-stop.

6. A volta mais rápida da corrida foi cravada por Barrichello com o tempo de 1min44s300 – na 20ª passagem.

7. O primeiro pit-stop do brasileiro foi feito na volta 17. A parada para troca de pneus e reabastecimento durou 7,2 segundos. No retorno à pista, ocupou a sexta posição.Rubens Barrichello (Foto: Divulgação)RUBENS BARRICHELLO (FOTO: DIVULGAÇÃO)

8. Na volta 26, um torcedor invadiu a pista em forma de protesto contra a Mercedes. O Safety Car foi acionado, e Barrichello aproveitou para fazer sua segunda parada. Os mecânicos da Ferrari gastaram 7s3 no ensaio e devolveram o piloto à pista em terceiro lugar. 

9. A parte final da prova teve o tempero da chuva, que castigou o especialmente o último trecho da pista. Hakkinen, que liderava, não deu conta das condições e foi para os boxes colocar pneu de piso molhado em seu McLaren. Com isso, ao fim da volta 35, Barrichello assumiu a liderança.

10. Na ponta, Barrichello cravou 1min59s8 ao completar a volta 56. Hakkinen, com pneus de chuva, cronometrou 1min58s6.

11. Faltando cinco voltas para o fim, Barrichello já fazia voltas no mesmo ritmo de Hakkinen. No giro 40, o brasileiro cravou 1min58s7 contra 1min58s5 do finlandês.

12. Ao término da corrida, a vantagem do brasileiro para o finlandês foi de 7s452.

13. Vencedor do GP, Barrichello finalizou as 45 voltas em 1h25min34s418. A média de velocidade foi de 215.278 km/h.

14. Apenas 11 dos 22 carros que largaram completaram o Grande Prêmio. O último a receber a bandeirada foi o argentino Gaston Mazzacane, da Minardi.

15. A conquista de Barrichello foi a de número 80 do Brasil na Fórmula 1. Atualmente, o país acumula 101 vitórias na categoria.

Com informações da Wikipédia e Auto Esporte

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo