Painel Político

Revista, é uma editoria do site Painel Político, e apresenta notícias variadas sobre tecnologia, streaming, variedades, famosos, fatos do cotidiano no Brasil e no mundo.

Operação da PF em 4 estados investiga destino de ouro extraído ilegalmente no Amapá

Para seus contatos
Read Time1 Minute, 33 Second

São 56 mandados, sendo 20 de prisão. ‘Ouro Perdido’ investiga venda do produto para pessoas e empresas

Agentes da Polícia Federal (PF) cumprem nesta terça-feira (18) um total de 56 mandados, sendo 20 de prisão temporária e 36 de busca e apreensão referentes à operação Ouro Perdido. A ação investiga a exploração de ouro, venda e sonegação fiscal em garimpos irregulares de Oiapoque, no Amapá, da Guiana Francesa e do Suriname.

Os mandados são cumpridos por 128 agentes em cidades do Amapá, São PauloGoiás e Pará. A Justiça Federal ainda determinou o bloqueio de R$ 146 milhões em nome dos investigados, que não tiveram o nome revelado, além da proibição da atuação deles na atividade.

Ainda segundo a PF, diversos estabelecimentos comerciais em Oiapoque recebiam o ouro extraído ilegalmente e vendiam o produto para pessoas físicas e jurídicas de todo o país, além de uma instituição financeira.

As investigações identificaram pelo menos 20 empresas dedicadas a atividades de compra, venda, confecção de joias e ouro, no município de Oiapoque, que não possuem cadastro no COAF e não estão legalmente autorizados pelo Banco Central para a prática do comércio de ouro.

A operação é realizada com apoio da Receita Federal, do Ministério Público Federal (MPF), da Força Aérea Brasileira (FAB) e do Exército Brasileiro.

A investigação que levou à Ouro Perdido foi feita entre autoridades brasileiras e francesas através de uma cooperação internacional com a polícia e o Ministério Público da França.

Segundo a Receita Federal, os vendedores e compradores, entre os anos de 2012 a 2017, devem ter realizado operações de compra e venda de ouro no valor aproximado de R$ 145 milhões, mesmo valor bloqueado.

Os investigados poderão responder pelos crimes de lavagem ou ocultação bens, direitos ou valores, receptação, usurpação de matéria prima da união, crimes financeiros e associação criminosa ou organização criminosa.

Com G1/AP

Jornalista, editor de Painel Político, consultoria e assessoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo