Tripulantes haviam determinado o desligamento do celular, mas ele optou em deixar no modo avião

Um passageiro foi multado em 2.000 euros por ter colocado o seu telefone celular em ‘modo avião’ ao invés de o desligar. O caso aconteceu em Portugal e veio à público pela Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (DECO), que explicou ainda a diferença nos procedimentos, que variam para cada companhia aérea.

O pedido de que o aparelho fosse desligado partiu da tripulação de cabine, mas o passageiro “não seguiu a indicação para desligar o telefone”, colocando-o apenas em ‘modo avião’.

A viagem tinha como destino a ilha de Funchal e, quando lá chegou, o passageiro em questão tinha à sua espera as autoridades para que fosse identificado. Dias depois, recebeu em casa uma multa de dois mil euros por parte da Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC), com a alegação de que o “aparelho poderia interferir com o sistema de comunicações do avião”.

De acordo com a DECO, a lei diz que os passageiros devem fazer o que a tripulação lhes pede para fazer. “O ato de utilizar o telefone ou qualquer outro aparelho eletrónico (tablet ou computador portátil) a bordo de um voo comercial, quando tal seja proibido, constitui uma desobediência muito grave. Essa proibição deve ser comunicada aos passageiros no início de cada voo e, sempre que possível, quando da compra do bilhete”, refere a associação.

Por este motivo, caso a tripulação peça que os aparelhos eletrónicos sejam desligados, os “passageiros devem sempre acatar qualquer instrução” dos funcionários da companhia aérea.