Relatório de 600 páginas está com a procuradora-geral da República. Raquel Dodge pediu que a PF apurasse a conduta dos investigadores da Polícia Civil no caso após indícios de irregularidades

Um relatório da Polícia Federal (PF) da “investigação da investigação” da morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes aponta um PM como responsável por atrapalhar os trabalhos da polícia.

A PF afirma que o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha, criou uma história com a finalidade de confundir as autoridades – e aproveitou a trama para se vingar.

Dodge pediu que a PF apurasse a conduta de agentes das polícias Civil e Federal no caso após indícios de irregularidades. O relatório tem 600 páginas.

A informação foi inicialmente publicada pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, e confirmada nesta quinta-feira (23) pela TV Globo.

De testemunha-chave a investigado

O policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha — Foto: Reprodução

O policial militar Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha — Foto: Reprodução

Durante meses, Ferreirinha foi considerado a principal testemunha do Caso Marielle. O PM apontou o miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, e o vereador Marcello Siciliano como mandantes das mortes. Os dois sempre negaram qualquer envolvimento no crime.

Em março, a TV Globo mostrou com exclusividade o depoimento da advogada de Ferreirinha à PF. Camila Nogueira disse que desconfiava da versão apresentada pelo cliente e que se sentiu usada.

Os delegados da PF que apresentaram Ferreirinha como testemunha também foram investigados, assim como alguns policiais civis. O relatório não aponta nada contra eles.

A vereadora Marielle Franco foi morta a tiros no dia 14 de março de 2018 no bairro do Estácio, na Região Central do Rio, quando voltava de um evento na Lapa. O motorista do veículo, Anderson Gomes, também foi atingido e morreu.

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz — Foto: Reprodução/TV Globo

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz — Foto: Reprodução/TV Globo

No dia 12 de março deste ano, o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz foram presos por suspeita de envolvimento no crime. Para os investigadores, Ronnie teria sido o autor dos disparos e Élcio dirigia o carro usado no dia do crime.Ambos estão em um presídio federal fora do Rio. As investigações se concentram na busca pelo mandante.

Em maio deste ano, a Justiça do RJ negou o pedido de liberdade feito pela defesa de Élcio Queiroz. Ficou marcada para o dia 7 de junho a data de instrução e julgamento do caso.

Marielle Franco e Anderson Gomes foram mortos no dia 14 de março, no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/ TV Globo

Marielle Franco e Anderson Gomes foram mortos no dia 14 de março, no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/ TV Globo