Ring Girls do UFC falam de vida fora do octógono e episódios de assédio

Compartilhe
Read Time5 Minutes, 16 Seconds

Camila Oliveira e Luciana Andrade estarão no UFC São Paulo, no próximo sábado (16), dessa vez sem Jhenny Andrade, que está fora pela gravidez

No próximo sábado (16), acontece no Ginásio do Ibirapuera o UFC São Paulo, e isso significa que os atletas do card, entre eles os brasileiros Maurício Shogun e Ronaldo Jacaré, devem estar prontos para suas respectivas lutas, mas engana-se quem pensa que só os atletas precisam se preparar para o grande dia. As ring girls – que, convenhamos, são uma atração à parte de qualquer evento do Ultimate – também se esforçam para fazer bonito no octógono.

Neste ano, o trio de ring girls brasileiras estará desfalcado em São Paulo já que Jhenny Andrade está grávida e de licença. Mas Camila Oliveira e Luciana Andrade já estão prontíssimas para animar o UFC, pelo menos é isso que elas contam em entrevista ao iG Esporte.

Camila, que foi a primeira ring girl brasileira contratada pelo Ultimate, conta que há um ano sua dieta é constante e não apenas nos dias que antecedem o evento. “A única coisa diferente que faço é diminuir a quantidade de carboidratos que como na semana anterior ou do evento”, explicou. Luciana também diz que a dieta e o treino são constantes na sua vida, mas não é muito fácil de seguir. “Nem sempre acontece, mas a gente tenta”.

Mulheres no UFC

camila oliveira
Reprodução/InstagramCamila Oliveira

Quando pensamos em mulheres dentro do UFC, um esporte com público predominantemente predominante masculino, imaginamos que elas podem sofrer algum tipo de assédio e realmente com Camila já aconteceu. “Eu sofri uma vez, logo no começo, por parte do público. Eu estava passando e um cara gritou palavras feias e fez gestos horríveis. Me incomodou, o segurança foi até ele e avisou que ele seria retirado da arena se não parasse. Desde então, nunca mais aconteceu. Os fãs são muito respeitosos”, comentou ela. 

Luciana conta que sim, existe assédio, mas com ela nunca foi nada exagerado. “Tanto os fãs quanto a equipe do UFC sempre foram muito respeitosos comigo e, felizmente, nunca passei por qualquer situação humilhante ou constrangedora”.

O UFC foi responsável por despertar em Camila a paixão pelo muay thai e foi aí que ela começou a praticar a luta, mas aos 9 anos ela já fazia capoeira e sempre gostou de lutas, tanto, que não pensou duas vezes antes de fazer o teste para se tornar a primeira Octagon Girl brasileira.

O mesmo aconteceu com sua companheira de trabalho, contratada pelo Ultimate há cinco anos. “Eu nasci em Curitiba, que é uma cidade considerada a meca do MMA: Anderson, Shogun, Wanderlei e outros nomes vieram de lá. Então, sempre gostei de assistir lutas e faço isso desde a época do Pride”, explicou.

Luciana Andrade
Reprodução/InstagramLuciana Andrade

As duas também guardam muitos momentos marcantes dentro do UFC, por exemplo, o UFC 198, que aconteceu em Curitiba, foi marcante para Luciana pelo fato de ter acontecido em sua cidade. Já para Camila, ser a primeira ring girl do país pesa muito. “Acredito que pesa o fato de ter sido a primeira Octagon Girl brasileira, ter aberto a porta no Brasil. Daqui a um tempo vou querer parar, me aposentar e é importante ter esse marco e poder incentivar outras meninas”.

Recentemente, quando o UFC foi em Melbourne, na Austrália, a prefeita da cidade quis banir as ring girls para que elas não participassem do evento. Para Camila, “mulher tem que estar onde ela quiser estar”, mas ela respeita todas as opiniões. “Esse modo de proteger não acho certo, estão me julgando sem saber se quero trabalhar com isso”, explicou.

“Ninguém me falta com respeito aqui dentro. É um trabalho que me sustenta e me permite ajudar a minha família. E foi como o Dana disse, nós vamos ficar e estamos apenas fazendo nosso trabalho, como todo mundo. O UFC me ajudou a conquistar meu espaço no mundo”.

camila oliveira
Divulgação/UFCCamila Oliveira

Luciana relembrou que na Fórmula 1, as Grid Girls também foram banidas, mas cita que as pessoas desconhecem a realidade do trabalho das mulheres e de suas remunerações. “Estamos em 2019 e ainda tem gente tentando nos dizer o que devemos fazer, onde devemos trabalhar, como devemos nos vestir”, opinou ela.

“Eu entrei no UFC sabendo quais seriam as minhas funções como embaixadora da marca e não me sinto desrespeitada ou explorada de forma alguma. Se as condições de trabalho fossem qualquer coisa menos do que corretas eu não estaria no UFC há cinco anos”, continuou.

“Eu acho que temos outras formas de empoderar e proteger as mulheres. Como embaixadoras do UFC, somos tão importantes quanto qualquer outra pessoa envolvida e eu fico muito feliz em trabalhar para uma organização que me respeita e me defende desse tipo de comentário. O UFC me abriu muitas portas, me proporcionou momentos incríveis – já conheci cidades em 17 países diferentes”, finalizou.

Vida fora do octógono

Luciana Andrade
Reprodução/InstagramLuciana Andrade

Camila vive hoje em Las Vegas, onde estuda em uma escola de inglês durante a semana. Além do UFC, ela também faz muitos trabalhos como modelo e com parcerias através do Instagram. “É um jeito que eu encontrei que funciona com a minha vida, que é muito corrida, tem muitas viagens. Dessa forma, posso trabalhar de qualquer lugar”, explicou.

Perto de Camila, está Luciana, que vive hoje em Los Angeles. Lá, ela atua como diretora de uma empresa de softwares. Quando não está com as outras ring girls nos eventos do Ultimate ela passa o tempo com a família e os amigos. Do IG Esportes

LEIA TAMBÉM

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %
Close